fundo no azul.png

Indenização por

Erro Médico

De uma forma geral, todos os profissionais da saúde (médicos, enfermeiros, dentistas, farmacêuticos e outros) pautam a sua atuação com o máximo de zelo possível.

 

Sem dúvida, a grande maioria desses profissionais atuam com o máximo cuidado e sem medir esforços para proporcionar ao seu paciente o melhor tratamento!

Em regra, é assim que esses profissionais exercem a bela carreira que escolheram abraçar.

No entanto (e infelizmente), há casos nos quais alguns profissionais de saúde não atuam com o zelo esperado e acabam cometendo erros que podem causar diversos danos aos pacientes, até mesmo lhes causando a morte.

Frequentemente chegam ao nosso conhecimento notícias sobre os mais diversos erros médicos: cirurgias em partes equivocadas do corpo, transfusões com sangue contaminado por diversas doenças, amputações de membros saudáveis, dentes extraídos equivocadamente, aplicação de medicamentos trocados, danos estéticos, diagnóstico tardio ou errado de doenças, dentre outros.

Quando esses erros médicos são cometidos e causam algum dano ao paciente, é possível pleitear uma indenização por erro médico junto ao Poder Judiciário.

Para se concluir que, de fato, houve um erro médico no procedimento adotado pelo profissional, é necessária uma análise cuidadosa do caso por um advogado especializado nesse assunto.

O advogado especializado deverá estudar de forma aprofundada o caso sob diversas perspectivas, dentre as quais se destacam:

Responsabilidade subjetiva e objetiva do profissional de saúde;

Se o profissional de saúde agiu com imprudência, negligência ou imperícia;

Situações alheias à relação médico-paciente, ou seja, um acontecimento inevitável, apesar de todo zelo do profissional;

Culpa exclusiva do paciente.

 

Após a análise concreta do caso, o advogado especializado deverá concluir se, no seu entendimento, o erro médico restou caracterizado.

Se a conclusão for no sentido que, de fato, ocorreu erro médico, o paciente deve provocar o Poder Judiciário para pleitear uma reparação pelo dano sofrido.

 

Atualmente, esses são os principais danos causados por erro médico:

Dano Material: despesas médicas hospitalares, medicamentos, viagens e contratação de profissionais, psicólogos, fisioterapeutas, enfermeiros etc. Essas despesas, caso se configure o dano, devem ser ressarcidas.

Dano Físico: perda parcial ou total de um membro, órgão, sentido ou função em decorrência de um erro médico.

Dano Estético: a doutrina e a jurisprudência de nossos Tribunais entendem que o dano estético está relacionado ao sofrimento pela deformação com sequelas permanentes, facilmente percebidas, ou seja, sequelas e/ou deformações físicas causadas por erro médico.

Dano Moral: diferentemente do dano estético, o dano moral está ligado ao abalo psicológico suportado pelo paciente em razão do erro médico. É dano que causa dor psíquica, humilhação, chacota, embaraçamento do paciente perante si mesmo e à sociedade em que convive.

Nosso escritório conta com advogados especializados e com experiência em assuntos relacionados a erro médico.

Propomos um atendimento personalizado e humanizado.

Buscamos compreender o contexto no qual o paciente está inserido.

 

Atuamos em mais de 15 Estados do Brasil.

Se você tem alguma dúvida sobre erro médico, entre agora em contato conosco e receba um atendimento personalizado.


Sua dignidade é nossa prioridade!

whatsapp-botão-1024x360.png
WhatsApp-icone.png